sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

ESTÃO RASGANDO O MANTO SAGRADO DA P. DE SANTA CLARA.




No ano de 1985, chegamos para passar o verão, trabalhando com o comercio de bar, aqui na praia de Santa Clara. Terminou o verão, ficamos na intenção de voltar à nossa terra, após a Semana Santa. Passou a Semana Santa, a amizade com os moradores e veranistas foi aumentando, até que decidimos ficar por aqui e estamos até hoje. 

Aprendemos a amar esta terra, de tal maneira, que tudo que venha depedrar, qualquer área, saímos em sua defesa. Com o passar dos anos, fomos acostumando com tudo que a natureza colocou neste lugar, principalmente este manto verde, um bosque com árvores centenárias, que até 2009, continuava virgem.

No ano de 2009, o município de São Francisco de Itabapoana, foi vítima de uma grande enchente e para escoar as águas que atingiram a maioria das casas, a prefeitura, através da Defesa Civil, foi obrigada a adentrar a este bosque e abrir uma vala. Infelizmente, foram retiradas algumas árvores, que não alteraram muito o ambiente. 

Deveriam de ter replantado, mas não o fizeram. Até então, todos respeitavam aquela área, como se fosse um Manto Sagrado. Dali não se tirava um cabo para enchada, tamanho era o amor a aquele bosque.

Sem querer discutir Leis ou direitos imobiliários, pois não entendo desta área. Sem querer polemizar, se alguém tem ou não o direito de desmatar o bosque, conforme vem acontecendo, porém quero ter o direito de ficar triste e até de chorar por cada árvore arrancada e queimada. 

Como as coisas estão acontecendo: Uma árvore centenária, como esta, por exemplo, agem da seguinte maneira: Colocam lixo na raiz e em seguida, poem fogo, provocando a morte da mesma. Cortam e depois queimam o restante.


  Não entendemos de Leis Imobiliárias, mas conhecemos um pouco das Leis que proíbem o desmatamento ilegal.

Segundo o atual Código Florestal, Lei nº12.651/12:
Art. 3o Para os efeitos desta Lei, entende-se por:
(...)
II - Área de Preservação Permanente - APP: área protegida, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica e a biodiversidade, facilitar o fluxo gênico de fauna e flora, proteger o solo e assegurar o bem-estar das populações humanas
;
Áreas de preservação permanente (APP), assim como as Unidades de Conservação, visam atender ao direito fundamental de todo brasileiro a um "meio ambiente ecologicamente equilibrado", conforme assegurado no art. 225 da Constituição. No entanto, seus enfoques são diversos: enquanto as UCs estabelecem o uso sustentável ou indireto de áreas preservadas, as APPs são áreas naturais intocáveis, com rígidos limites de exploração, ou seja, não é permitida a exploração econômica direta. As atividades humanas, o crescimento demográfico e o crescimento econômico causam pressões ao meio ambiente, degradando-o. Desta forma, visando salvaguardar o meio ambiente e os recursos naturais existentes nas propriedades, o legislador instituiu no ordenamento jurídico, entre outros, uma área especialmente protegida, onde é proibido construir, plantar ou explorar atividade econômica, ainda que seja para assentar famílias assistidas por programas de colonização e reforma agrária.
Somente órgãos ambientais podem abrir exceção à restrição e autorizar o uso e até o desmatamento de área de preservação permanente rural ou urbana mas, para fazê-lo, devem comprovar as hipóteses de utilidade pública, interesse social do empreendimento ou baixo impacto ambiental (art. 8º da Lei 12.651/12).
As APPs se destinam a proteger solos e, principalmente, as matas ciliares. Este tipo de vegetação cumpre a função de proteger os rios e reservatórios de assoreamentos, evitar transformações negativas nos leitos, garantir o abastecimento dos lençóis freáticos e a preservação da vida aquática.

Não fomos nós que fizemos e nem tão pouco aprovamos a Lei 12.651/12, porém temos o direito de exigir das autoridades que façam cumpri-la. 

Não estamos acusando ninguém, até porque, não sabemos de onde está partindo esta ofensa à natureza.

O BOSQUE ERA MAIS OU MENOS ASSIM:



 AGORA ESTÁ ASSIM:




 ISTO DÓI MUITO.

UMA PENA.
















 Aqui foi aberta uma rua.


 ESTA ARVORE ACIMA E AO FUNDO, É UMA DAS CENTENÁRIAS.







AQUI, SÃO CINCO LOTES CERCADOS.



Um comentário:

Claudia Marcia disse...

Concordo plenamente, isto é um absurdo! Estão acabando com a mata, onde estão as autoridades?! Conheço essa mata desde criança, tenho passado por ali constantemente e presenciando esse absurdo. Pensei que era uma area preservada, e agora?